Livre, leve e solta na próxima estação! Um pouquinho da moda para você no Café Com ideias, com Jéssica Matoso:

Café Com Ideias: Quando o assunto é imagem, não podemos deixar de acompanhar as tendências não é mesmo? Dicas perfeitas serão dadas neste post pela Design de Moda e Consultora de Imagens  Jéssica Matoso. Vamos conferir:

“Por Jéssica Matoso,

Oi pessoal!!!

O inverno ainda nem terminou e a brisa do verão já nos cerca por todos os lados. Naturalmente, surge a ansiedade de saber o que usaremos na próxima estação, não é mesmo? Não basta apenas seguir os modismos, é preciso criar um ambiente original, em que o sentir-se bem é fundamental. Assim pensando, essas são as minhas apostas para a próxima estação.

No Outono/Inverno as peças ícones foram as calças e saias de couro, franjas, pelos e ítens de cores escuras, como preto, marsala, cinza e azul escuro, na Primavera/Verão a tendência será oposta: o cool será usar e abusar das cores e estampas alegres, que combinam perfeitamente com o clima das estações mais quentes do ano.

O azul, cor que vem predominando já faz um tempo, ainda continua em cena, mas baixa o tom, contudo, dessa vez, estará mais claro, super discreto e elegante. Veremos muito dele por aí numa variedade de tons pastéis, principalmente o azul celeste e o azul bebê.

foto 01

O azul dividirá o cenário com outros dois tons. O amarelo e o laranja, tonalidades cítricas,a cara do verão.

foto 02 foto 03 foto 04

Em termos de estampa, entre as tendências primavera verão 2015, não poderia faltar a alegria das bicolores. Elas podem combinar cores quentes e frias, como o amarelo e o azul. Estampas florais, como já era de se esperar, voltam com tudo, porém virão em diversos tamanhos. As clássicas estampas de listras também estarão presentes, mas, para não cair na mesmice, invista em peças com cores intensas, com desenhos assimétricos formando os chamados grafismos.

foto 05

Quando o assunto é tecido, aqueles naturais como o linho, que deixam os looks leves, porém sofisticados, estarão em alta. Assim como os tecidos naturais, as peças com tecido fluído também vão abalar nas estações mais quentes do ano. Transparentes e esvoaçantes, os tecidos fluídos dão leveza ao look. A dica aqui é se jogar nos cortes amplos, que valorizam o caimento das peças.

O comprimento midi, tendência predominante há algumas estações, estará com tudo na próxima temporada de calor. O resultado é um look fresco e elegante, com uma pitadinha de retrô.

A novidade da vez fica por conta da pantacourt, que nada mais é que uma pantalona mais curta, normalmente com a barra um pouco abaixo dos joelhos, algumas na altura dos tornozelos. Mas fiquem atentas. Alguns cuidados devem ser tomados, principal com relação à silhueta. O look deve estar bem harmônico para que a pantacourt vista bem.

foto 06 foto 07 

Enfim, essas são as minhas apostas para a próxima estação. E você, o que acha? Qual tendência melhor representa seu estilo e o que acredita ser o fresh para o momento?

Até o próximo post!

Abraços,

Jéssica Matoso.”

Se você gostou deste post, não deixe de participar, dando sua opinião no Blog Café Com Ideias Educação Corporativa e sugerindo novos temas.

Contato da Jéssica:

jessicamatoso@yahoo.com.br.

Anúncios
Publicado em Moda | Etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , | 3 Comentários

Por que eu deveria ter um Blog? Saiba tudo sobre um blog:

Blog-image2

Café Com Ideias: Hoje falarei de um assunto que tem interessado muito a algumas pessoas: “ter ou não ter um blog”. Resolvi dividir com meus leitores este tema, por gostar muito e principalmente por poder compartilhar uma informação tão relevante, que poderá ajudar as pessoas não só na área profissional, como pessoal, uma vez que isso poderá gerar grandes mudanças, como auto-estima, auto conhecimento, satisfação por compartilhar ideias, network, participação em eventos(imprensa), entre outros. Espero que façam bom uso dessas informações e criem memoráveis projetos:

Dei início as atividades de Blogueira do Café Com Ideias Educação Corporativa em 2012, ou seja, há aproximadamente três anos. Mas na verdade esta foi só uma data de concretização de um sonho, uma vez que há anos já amava a ideia de escrever e dividir com as pessoas o pouco conhecimento que eu adquiri ao longo dos anos, pois tenho muito mais para aprender, mas confesso que jamais imaginava que um dia teria um blog, sabia que faria, mas não tinha a menor ideia de como e quando realizaria este sonho.

Assim que soube da possibilidade de criar um blog, comecei a buscar ferramentas que me auxiliariam na construção dele. Sempre digo que sou ótima para sonhar e criar “insites” mas colocar no papel e mesmo construir o projeto, já não é muito a minha praia. Então, busquei ajuda com amigos que entendiam do assunto, busquei parcerias e um dia o projeto saiu.

Devo muito ao meu amigo e excelente profissional Charles Souza, criador da minha Logo, Marca, Site(www.claudiamenezes.com.br) e Blog. Sempre acreditou no meu projeto, me ensinou o caminho, puxava a minha orelha quando necessário e ainda está sempre disposto a me ajudar, o que muito me felicita.

Devo também ao meu amigo Andrio de Oliveira,  pessoa altamente competente na criação de Blogs Memoráveis, que apesar da distância está sempre me apoiando e acreditando nas minhas mais “viajadas ideias”.

Agradeço muito a um amigo “maluco” ou melhor, ao Blogueiro Mauro Condé do Blog Malucomg, que sempre me assessorou e impulsionou, não permitindo em momento algum que eu  cochilasse durante o projeto.

E por trás disso, ainda exitem muitas pessoas a quem devo agradecer e muito, como o meu companheiro Edpo Fernando, que por muitas vezes foi hiper compreensível quando precisei me isolar em um cantinho para escrever. Pelos sábados e domingos que passei e ainda passo em frente ao computador, vibrando de alegria, ao escrever meus posts.

A minha filha Carolina e a minha mãe Magdalena que por várias vezes ficaram de “tromba”, pelo fato de eu não poder parar para dar a elas a devida atenção, mesmo tentando recompensar mais tarde.

Agradeço ainda em especial a todos os parceiros que contribuem com seu conhecimento para o Blog como o Dr. Alfredo Matoso, Suzana Marques, Jéssica Matoso, Eliane Pessoa, Mauro Condé, entre outros.

Um blog só se torna memorável quando é criado com muito, mas muito amor, porque como tudo na vida, tem seus altos e baixos. Assim como as relações, tem seus dias de glória, e também seus dias de baixa.

Nem sempre estamos inspirados para escrever, mas quando esta inspiração vem, costumo escrever incansavelmente. Como amo escrever, não fico engessada a datas e muito menos a ambientes propícios, se vem a ideia, dou um jeitinho e lá vou eu…escrevendo novamente. Muitas vezes costumo  ter “insites” quando estou dormindo, então no dia seguinte, tento recuperar os dados (verdade!).

Quanto ao que escrever, sugiro que fale daquilo que realmente gosta e que realmente domina, pois uma vez que não se tem esse domínio, ficará sempre à mercê dos outros ou das circunstâncias para fazê-lo. Evite copiar ideias e seja criativo, mas poderá sim, melhorar as ideias existentes. Lembre-se também que nunca irá agradar a todos, nem Cristo agradou não é mesmo?

Vou confessar que tem momentos difíceis para quem tem um blog, como por exemplo, ouvir as pessoas dizerem que você não está fazendo nada e só fica na internet. A dica que dou neste caso? Entenda o ponto de vista delas, tenha empatia, se colocando no lugar delas, mas se conseguir, finja ser surdo(a) por alguns segundos e siga adiante.

Como tudo na vida, com o tempo vamos ficando mais maduros, experientes e vamos também amadurecendo as ideias e os projetos. Deixamos de oferecer espaços no blog e passamos a ter propostas de parceiros, marcas e pessoas que querem fazer parte dele. Estou para dizer também que o blog é uma excelente vitrine e por isso, é preciso saber o que vai colocar em exposição.

Aconselho a ler muito sobre blogs (indicarei alguns links ao final da página), aconselho ainda a se tornar seguidor(a) de blogs memoráveis. Buscar sempre atualizações na sua área e aumentar sempre que possível o nível de conhecimento, através de estudos, leituras, debates, workshop e etc.

Espero que tenha gostado das dicas e sinta-se à vontade para fazer perguntas sobre o assunto ou mesmo sugerir novos temas.

Abraços,

Claudia Menezes

Sites de Blogs Interessantes:

http://www.pedrosuperti.com.br/sobre-pedro-superti/

https://malucomg.wordpress.com/author/malucomg/

http://viverdeblog.com/blog-memoravel/

Contato Charles Souza:

Charles@mixerweb.com.br (31)96328242 whatsapp

Contato Andrio Oliveira:

andrio.bmx@msn.com

Publicado em Café Com Idéias | Etiquetas , , , , , , , , , , , , , , | 3 Comentários

Café Com Ideias em NY: A “Crise” ! (Um paralelo entre o comportamento dos americanos diante da crise de 2008 e do povo brasileiro frente à recente “Crise”).

IMG-20150815-WA0001

Café Com Ideias: Nunca se ouviu falar tanto em crise como nos últimos tempos. Como lidar com a crise? Qual seria o comportamento mais adequado para os tempos de crise? Como diferenciar o necessário do que é supérfluo em momentos de crise? Estas são as perguntas mais frequentes que o brasileiro tem feito para especialistas de diversas áreas. Saiba tudo sobre o comportamento dos americanos mediante a crise que se instalou em  2008 e somente agora está dando uma trégua, o que fizeram para segurar a onda e como podemos nos espelhar neles no cenário atual:

Por Suzana Marques,

“Hello everybody!!!

Estou de volta com mais um assunto, que julgo ser muito importante, principalmente em função da atual situação econômica do Brasil. Quero falar um pouco da “Crise”, palavra que “nunca antes na história deste país…”(este jargão caiu como uma luva..rs) foi tão falada quanto tem sido nos últimos tempos.

A minha curiosidade em relação a este assunto, se deu devido ao fato de que em praticamente todos os meus diálogos, seja por qual mídia for, com brasileiros ou estrangeiros, sempre leio ou escuto a respeito. A “Crise” brasileira não deixa de ser assunto recorrente e, muito preocupante também, pois, estamos todos no mesmo barco, não é mesmo? Daí, parti em busca de alguma informação que possibilitasse um paralelo entre o comportamento dos americanos diante da crise de 2008 e, o nosso, frente a nossa crise. Também tentar encontrar alguma boa ideia que nos pudesse ser útil.

A crise de 2008 nos EUA, que alcançou os alarmantes dados de 49,7 milhões de pessoas abaixo da linha da miséria e, aproximadamente 80% da população próximo da pobreza, só agora começou a ser deixada para trás, mas deixou marcas profundas no consumidor norte americano que ainda vive dias difíceis e, foi ponto de partida para importantes mudanças de comportamento do cidadão comum, as quais deveriam ser seguidas como exemplo por nós brasileiros, pois, ao contrário do que se imagina, os americanos apesar de terem crédito e acesso a todas as marcas e produtos de melhor qualidade, uma coisa que não se vê por aqui é ostentação, como se vê no Brasil de uma forma generalizada.

Além de todas as medidas econômicas adotadas pelo governo, uma mudança de comportamento do consumidor americano está sendo de grande importância para superação da crise.                                                                                                                 

Podemos citar algumas coisas interessantes como a redução do desperdício(e quem diria heim??? americano que nunca teve o hábito de consertar nada, atrapalhou joga fora e compra outro novo…), aquisição apenas do que é realmente essencial e algumas mudanças de valores.

Em função da crise, os consumidores trocaram marcas tradicionais de vestuário, por marcas próprias de lojas de departamento, marcando assim, o crescimento da nova moda batizada como “Cheap&Chic”(barato e chique), representada pelas Uniqlo, H&M dentre outras, similares as lojas C&A, Renner, Riachuelo e etc. E mais, o americano literalmente aprendeu a “Arte da barganha”, não comprar nada sem antes chorar muito para conseguir melhores preços.

Quanto aos lojistas, algumas armas utilizadas foram, maior esforço na manutenção dos clientes que já possuíam, com a elevação da eficiência do serviço prestado, maiores investimentos em capital humano, assim como corte nos custos e diminuição dos riscos, chegando até a diminuição no tamanho das lojas.

Como mudança e valores do cidadão americano, podemos citar o fato de eles passarem a buscar pelo até então chamado de subempregos, o que em outras épocas áureas da economia do país, seria impensável. Hoje é comum muitas americanas trabalhando de baby sitters, para custear a faculdade dos filhos, assim como americanos espalhados por todas as obras de construção civil.

No Brasil a imagem é, senão tudo, quase tudo, e as pessoas tem o costume de reduzir o consumo do que é essencial, para conseguir manter o supérfluo, o que é perigoso, pois, mesmo em épocas em que a economia do país está voando em “céu de brigadeiro”(não me lembro bem dessa época…rs), isso pode acabar nos levando a um colapso econômico financeiro.

Mas, com crise ou sem crise, algo que chama muita atenção por aqui, seja por parte dos nativos ou dos imigrantes, é o patriotismo, o amor pelo país, que você consegue sentir até pelo ar que respira, em praticamente todas as fachadas das casas, vai haver uma bandeira dos EUA. Acho que essa crença e amor pelo país, também foi fundamental para as mudanças positivas na economia.

Espero que as poucas informações expostas acima, nos leve ao mínimo possível de reflexão, do quão importante são as nossas atitudes, em busca de um país realmente melhor para todos.

Abraços,

Suzana Marques.”

Se você gostou deste post, faça um comentário ou sinta-se à vontade para sugerir novos temas.

Publicado em Café Com Idéias | Etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | 5 Comentários

“Biquine de Rosto”, nova tendência. Saiba tudo sobre os benefícios do Facekini.

-font-b-Facekini-b-font-Swimming-caps-Sports-outdoor-Uv-protection-Men-s-and-women

Café Com Ideias: Se tem uma coisa que é universal e independente do nível cultural, assim como raça, crenças, valores e etc, é a conscientização do efeito solar na pele. Vemos em diversos países pessoas usando diferentes meios de se protegerem dos raios solares. Agora o que veremos abaixo é a mais nova forma de proteger o rosto e particularmente, achei interessante e por que não sensual? Claro, que com exceções. Vamos conferir:

Criado na China há cerca de 9 anos, o Facekini  tem sido utilizado por várias mulheres, marcando presença em diversas praias do país. Ter a pele sem manchas passou a ser um padrão de beleza para as chinesas e esse acessório contribui e muito para mantê-las “belas”.

Quem inventou o acessório foi Zhang Shifan, que possui uma loja de biquinis em Qingdão em Shandong. O chamado “biquine de rosto” tem uma produção em larga escala por ser muito útil e admirado pelas chinesas.

O Facekini possui algumas aberturas, possibilitando assim uma respiração confortável, feito de náilon e em diversas cores, sua utilização vai além de proteger os raios solares, mas também a picadas de insetos, águas vivas, areia e etc. Ainda tem um fator relevante que é proteger os cabelos do sol e dos produtos químicos, muitas vezes encontrados nas dimensões do mar.

Com tanto sucesso é bem provável que o Facekini saia dos limites do país asiático e domine as demais praias do mundo.  Sua fama está tomando tamanha proporção que até saiu na revista bianual de moda “CR FASHION BOOK”.

Sendo ou não bonito, atraente ou algo parecido, não vamos negar que o benefício deste mais novo acessório contribuirá e muito para uma pele saudável e uma longevidade na aparência, sem contar que ainda serve para camuflar o rosto. Deixa as celebridades descobrirem isso, na verdade já descobriram.. E você, utilizaria um Facekini? Deixe sua resposta.

Abraços,

Claudia Menezes.

Se você gostou deste post, deixe seu comentário e sugestões para um próximo post. Obrigada,

Publicado em Moda | Etiquetas , , , , , , , , , , , , , , | Publicar um comentário

Café Com Ideias em NY-Saiba um pouco sobre a pluralidade de raças, etnias e a prestação de serviços na terrinha do “Tio Sam”

IMG-20150806-WA0054

Café Com Ideias: Aprender a falar uma língua diferente da nossa já é um grande desafio, imagine então, estabelecer uma comunicação com várias línguas ao mesmo tempo? Sem contar os costumes, etnias, crenças, valores e etc. E a prestação de serviço na área da saúde(odontologia) na terrinha do “Tio Sam”, será diferente da que temos no Brasil? Vamos saber tudo isso através deste excelente post da Especialista Suzana Marques que está em NY:

Por Suzana Marques,

“Olá pessoal!
Esta semana vou falar um pouquinho da pluralidade de raças e etnias e, da prestação de serviços em alguns segmentos aqui na terrinha do “Tio Sam”.
Se você pensa que chegando aqui vai se deparar apenas com os loirinhos(as) de olhos azuis, vai ter um choque muito grande quando pisar em Nova York, por aqui existe uma mistura de raças e culturas como quase não se vê em outro lugar do mundo, os Estados Unidos é um pais constituído basicamente por imigrantes de toda parte do mundo, com algumas etnias presentes de maneira mais intensa, como é o caso dos asiáticos, hispanos, judeus, brasileiros entre outras com grandes comunidades residentes, como exemplo posso citar a famosa Chinatown .
Às vezes me esqueço de que estou nos EUA, porque vejo gente de tantas outras raças o dia inteiro, e o mais difícil é o cérebro lidar com tantos sotaques diferentes, um exemplo é o fato de eu morar na cidade de Cliffiside Park, que fica a 20 minutos de Manhattan e, nas proximidades de minha casa existir uma grande avenida comercial “Bergenline”, onde sou atendida no mercadinho pelo brasileiro, na lojinha de telefonia por uma equatoriana, a moça da lavanderia é hispana e a manicure é japonesa, tudo isso em apenas um quarteirão dessa avenida.

A sensação que tenho é de todo mundo junto e misturado all the time, every day…rsrs Também é importante dizer sobre a evidente segregação racial de etnias, você percebe na fala das pessoas e no comportamento, aqui você se depara com bairros onde moram apenas americanos brancos, outros apenas negros, outros apenas hispanos e por aí vai, existe uma separação muito forte.

Nas faculdades é comum você chegar no refeitório e ver mesas com grupinhos de pessoas da mesma etnia, aqui é cada um na sua, literalmente. Mas não posso deixar de ressaltar que estou vivenciando uma experiência simplesmente incrível.
Já em relação a prestação de serviços, na semana passada falei sobre a carência de profissionais do setor de beleza por aqui e, na próxima semana, pretendo mostrar alguns salões brasileiros que são um sucesso em Nova York, como por exemplo, o cabeleireiro brasileiro que atende a celebridade Jennifer JL Jones, ou seja, grandes profissionais da área de beleza por aqui são brasileiros, inclusive, um dos salões mais renomados de Nova York, que é o “J Sisters” é de uma capixaba. Desse assunto, vou trazer mais detalhes nos próximos posts.
Mas vamos falar de outro segmento que me pareceu ser muito carente nessa região, a área odontológica, que, pelo fato de aqui se tratar de uma especialidade da medicina, pode ser que não se consiga gerar profissionais tão especialistas como no Brasil, onde a pessoa estuda em média cinco anos para se tornar um dentista.

E vocês devem estar se perguntando o porque estou me metendo nesse assunto, é simples, desde pequena tenho uma rotina de tratamento dentário, usei vários tipos de aparelhos e, como observadora que sou, o sorriso me chama muito atenção. Ao contrario do que se imagina, os tratamentos aqui deixam muito a desejar, além de serem extremamente caros.

Conheço uma dentista de Belo Horizonte, que está por aqui fazendo complementação do curso para atuar na Flórida, ela me contou que está horrorizada com o que tem observado, os tratamentos não são eficazes como no Brasil, e o material usado também não é tão bom quanto.

Uma coisa que tenho observado muito são os dentes das pessoas que moram aqui, não são bem cuidados e as pessoas não tem o hábito de higienização após todas as principais refeições diárias, como é de nosso costume, fiquei assustada! E para completar, duas dentistas que se destacam muito em Nova York, são brasileiras, atuam no Professional Dental Associates, doutora Luciana e doutora Monique.
É por essas e outras razões que continuo dizendo que precisamos quebrar o mito, pois se tratando de prestação de serviços os brasileiros são excelentes profissionais em qualquer lugar do mundo.

Abraços,

Suzana Marques.”

Se você gostou deste post, dê sugestões para um próximo tema.

Publicado em Café Com Idéias | Etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , | 3 Comentários

O mapa não é o território. Respondemos ao mundo não pelo que ele espera de nós, mas como o interpretamos!

o-mapa-nao-e-o-territorio

Café Com Ideias: Como seres humanos, não conhecemos a realidade e sim a nossa concepção de realidade. Respondemos ao mundo não pelo que ele espera de nós e sim, através da visão, audição e sensação que absorvemos dele.

É um tanto quanto complicado não é? Bom, eu também achava quando me aprofundei nos estudos da PNL(Programação Neurolinguística), mas podemos entender por um outro ângulo: Imagine um palco iluminado, onde você terá que entrar e apresentar uma peça? Conseguiu imaginar? Isso é importante. Porém se você não for muito visual, poderá não ter tanta sensação deste palco, mas faça um esforço.

Pois bem, neste palco, você dará o melhor de si, dentro da sua percepção e comprometimento com a apresentação. Assim é a vida, respondemos a ela, da maneira que a enxergamos e na medida que ela nos oferece algo. Ficou mais claro agora? O que quero que entenda é que, cada um de nós vive a própria realidade, mediante as impressões e experiências obtidas na vida. Subimos no palco para interpretar apenas o que aprendemos com a vida. Agindo assim, criamos o nosso MAPA.

Quando construímos o nosso mapa, damos sentido à vida, assim, tornamos-a menos complexa. Costumamos concentrar nossa atenção, naquilo que realmente nos interessa, apagando da memória aquilo que não nos agrega mais qualquer tipo de sentimento ou crescimento.  Quer um exemplo? Quando conhecemos uma pessoa e por ela temos um apreço, conseguimos nos lembrar dela por vários momentos, se vimos um carro parecido, logo esta pessoa vem na nossa mente. Com o passar do tempo, se essa pessoa sai da nossa vida por algum motivo, continuaremos a lembrar dela mais vagarosamente, vendo um carro parecido com o dela, mas passando mais tempo ainda, isso desaparece e podemos ver trilhões de carros parecidos com o dela, que nem se quer o associamos mais, uma vez que aquilo já não está no nosso ciclo de interesse. Por isso conseguimos nos desprender de coisas e até pessoas na vida, e isso é não é nada ruim.

Muito do que somos, foi criado através de padrões impostos ou por nossos pais ou pelo ambiente social. O mais importante é quando tomamos consciência disso e buscamos aprimorar alguns comportamentos e principalmente a nossa forma de pensar. O medo de julgamentos pode transformar nossas atitudes, mesmo que inconscientemente. Aquilo que ouvimos desde criança influenciará e muito a nossa maneira de agir mediante a sociedade: “Menina brinca com menina, menino brinca com menino”, “Menina não brinca de carrinho”, “Menino não pode pegar em boneca”, “Você nunca aprende” …etc. E assim nos tornamos moldados dentro dos “padrões” exigidos pela sociedade.

Com o passar dos anos tornamo-nos independentes e nos julgamos donos do próprio nariz. Começamos então a explorar a vida e entendê-la de acordo com os modelos mentais desenvolvidos por nós mesmos, porém tendo ainda como base aquilo que nos foi ensinado, afinal, “somos o que fomos”. Com isso, não necessariamente precisamos eliminar aquilo que foi aprendido, mesmo porque isso não seria possível, afinal, nunca desaprendemos, mas sim precisamos criar novos padrões mentais e comportamentais.

A imaginação é uma ferramenta imprescindível para a nossa criatividade e ainda pode nos levar a caminhos jamais percorridos, melhor dizendo: arriscados. Precisamos ousar mais, acreditar mais. Subir no palco e esperarmos que as cortinas se abram para recebermos os aplausos de nossos telespectadores. Sendo o palco a “vida” e os telespectadores “o que vier dela”. Não darmos ouvidos a prováveis julgamentos, a menos que venham para acrescentar algo. É preciso viver com a alma, dançar como os cisnes, deslizar no palco. E se ainda por alguma intempérie tropeçarmos, a dica é: levantar com glamour e continuar a brilhar até o fim do espetáculo.

Precisamos parar de nos alto sabotar, percebendo que no decorrer do desenvolvimento da nossa autoconsciência, muitos de nós identificamos papéis inadequados, desmotivadores, enraizados e  arraigados. Papeis estes que vão em desencontro aos nossos valores. Somos capazes de recriar e não nos sujeitarmos a viver estes papéis intitulados. Podemos criar e inovar para novas escolhas, levando em conta nossas crenças e valores.

Como fazemos isso? Comecemos por abortar hábitos inadequados que nos sabotam sempre que os utilizamos, deixando de lado aquilo que nos faz sofrer. Identifiquemos qual é o verdadeiro papel que queremos interpretar, o que precisamos fazer para melhor desempenhá-lo e estrearmos, porque não? Enfim, acreditemos ser capazes de assumir nossas vidas, sejam elas quais  forem e doe a quem doer. Sempre haverá um palco a nossa espera!

“…Jamais desista de si mesmo.

Jamais desista das pessoas que você ama.

Jamais desista de ser feliz, pois a vida é um obstáculo imperdível, ainda que se apresentem dezenas de fatores a demonstrarem o contrário.

Pedras no caminho?

Guardo todas, um dia vou construir um castelo . . .”

Palco da Vida (Fernando Pessoa)

Abraços,

Claudia Menezes.

24-O-mapa-não-é-o-território-Vanessa-Damásio_Page_1-e1383917298359

O axioma O Mapa não é o Território significa que:

1. As pessoas respondem às suas percepções de realidade.

2. Todas as pessoas têm seu próprio mapa de mundo. Nenhum mapa de alguém é mais
“real” ou “verdadeiro” que o mapa dos outros.

3. O significado da nossa comunicação é a resposta que obtém de alguém, independentemente da nossa intenção.

4. Os mapas mais “efectivos e ecológicos” são aqueles que dispõem de um número amplo e rico de escolhas, sem com isso significar serem os mais “reais” ou “exactos”.

5. Todos nós possuímos (ou potencialmente possuímos) todos os recursos de que necessitamos para agir de forma eficaz.

6. A mudança resulta da ampliação ou enriquecimento do mapa de mundo de uma pessoa pela utilização de um recurso apropriado, ou a activação de um recurso potencial, para um contexto particular.

http://oficinadepsicologia.com/wp-content/uploads/2013/11/24-O-mapa-n%C3%A3o-%C3%A9-o-territ%C3%B3rio-Vanessa-Dam%C3%A1sio_Page_1-e1383917298359.png

Se você gostou deste tema. Faça um comentário logo abaixo e deixe sugestões de temas para um próximo post. Obrigada!

Publicado em Café Com Idéias | Etiquetas , , , , , , , , , , , , , , , , , | Publicar um comentário

Quando a censura é mais segura que o elogio.Todos deveriam ler!

Café Com Ideias: Por que relutamos tanto ao recebermos um elogio? Se somos resistentes a críticas, porque não nos deleitamos com os elogios? Saiba mais:

Café Com Ideias

images (7)

Café Com Ideias: Sempre achei interessante o fato das pessoas não se sentirem à vontade ao receberem um elogio. Na verdade, a melhor explicação para este comportamento pode ser a questão de valores, uma vez que vivemos em sociedade e temos como princípio sermos sempre modestos. Mas até que ponto vale a pena esquivar-se diante de  um elogio recebido? 

Assim como aprendemos a dizer “não” a favores ou convites, devemos também aprender a dizer “sim” ao recebermos elogios e considerações. Acredito que  para as pessoas que não tem o hábito de elogiar, seja mais difícil receber elogios.

O que geralmente dizemos quando estamos diante de um elogio:

  • “Obrigada, são seus olhos.”;
  • “Bondade sua.”;
  • “Imagina, você é muito generoso(a).”;
  • “Não sou nada disso que está dizendo.”;

O que poderíamos passar a dizer mediante aos elogios recebidos:

  • “Obrigada.”
  • “Que bom que você gostou, me sinto feliz por isso.”
  • “Sério, você notou? Que…

View original post mais 387 palavras

Publicado em Sem categoria | Publicar um comentário

Cenário Atual. Como viver a CRISE sem CRISE!

Depositphotos_21277493_s-e1409236744157

Café Com Ideias: Existem eventos que controlamos e eventos que não controlamos correto? Mas tem uma coisa que somente nós podemos controlar: “Como lidar com a situação existente e como proceder mediante à eventos que não conseguimos controlar.” Podemos controlar o tempo, um encontro, uma decisão a ser tomada, mas não podemos decidir por outras pessoas, a saúde(a não ser cuidar dela), o trânsito, os acontecimentos futuros e etc.
E em um Cenário como o que estamos vivenciando, o que fazer? Como proceder e como vender lenços?

O cenário está cada vez mais competitivo, o mercado cada vez mais exigente, a qualificação é importantíssima, é preciso ser empreendedor etc e etc. Desde que o mundo é mundo, todas estas condições já existiam e com isso, já eram imprescindíveis, o que mudou foi apenas a forma de colocá-las. Sempre houve competição, sempre qualificação teve grande importância e possuir características de um bom empreendedor era uma condição “sine qua non”.

Desde os primórdios o ser que se diferenciava, em se tratando de força, imposição, inteligência, para a época, claro, alcançava mais êxito em tudo. Com a mudança de era não foi muito diferente, aquele que conseguia ter uma condição diferenciada de estudo, indicação ou mesmo preparo, conseguia com mais facilidade mudar de cargo, obter melhores salários e etc. E o Cenário hoje não é diferente. Se destacarão aqueles que tiverem mais ferramentas, tanto de conhecimento, como network e assim por diante.

Quando entendemos dessa forma, passamos a entender que somos seres mutantes e vivemos em constante transformação, mas as regras, as condições foram, são e sempre serão as mesmas. Então porque alardear? Porque entrar em pânico? Se isso é uma questão tão óbvia e jamais conseguiremos mudar.

O que mais ouvimos falar o tempo todo ultimamente é na bendita da crise. Assim como as condições exigidas para se obter o êxito na vida, que acabamos de falar acima, também acontece com a crise, sempre existiu, existe e sempre existirá. O que muda é a proporção, o a causa e os interesses. O Brasil vive em crise, o mundo vive em crise, existe crise no Oriente Médio, desde que o mundo é mundo. O Holocausto foi uma crise, etc e etc. Não quero de maneira alguma fazer vista grossa ao que está ocorrendo na atual conjuntura, na política, a roubalheira e etc, muito pelo contrário, assim como também não quero entrar em discussão política, por que na minha opinião, todos são farinha do mesmo saco.

O que eu quero dizer é que, com ou sem crise, não cabe a nós permanecermos inertes; atribuindo tudo à crise: “Meu casamento acabou, por causa da crise”, “Sai do emprego, por causa da crise”, “Não vou mais enviar currículo, por que estamos em época de crise”, e blá..blá..blá. Por incrível que pareça, é nos momentos de crise que mais se tem possibilidade de crescer, que se enxerga o quanto esteve procrastinando, adiando oportunidades e o quanto esteve acomodado. Como diz Arnaldo jabor: “A crise nos tira o sono e nos faz despertar.”

Se algo mudar na sua vida, seja lá o que for, principalmente em um momento de crise, pare e pense: Quais são as suas forças? Em que se diferencia? Em que é verdadeiramente bom? Já sei o que está pensando neste momento, “Se eu fui demitido é porque não tenho nada disso” correto? Errado. Muitas vezes a crise pode não estar em você, e sim em quem o(a) demitiu, por medo de não conseguir manter todos os funcionários, por reconhecer que a gestão é falha, por não estar financeiramente equilibrado(a) e etc. Enfim, você pode perguntar, “Mas porque eu e não os outros?”, pode ser competente demais para a empresa, por poder se tornar uma ameaça para o seu chefe, ou mesmo, por que você pode custar mais caro que o seu colega, porque você tem IDEIAS,  cobra resultados e etc. Fiz um artigo que retrata muito a questão do medo, é quase uma metáfora, mas não é muito diferente da realidade, vale a pena conferir: (https://blogclaudiamenezes.wordpress.com/2015/04/27/ter-medo-pode-ser-uma-questao-de-atitude-veja-a-historia-do-cao-e-da-galinha/)

Já parou para pensar que em uma tragédia, a primeira coisa que fazemos é ficar paralisados? Depois, que caímos na real, sentimos dor, medo, gelamos ou até mesmo gritamos, tudo isso devido ao alto grau de desespero,  e literalmente perdemos a cabeça não é? Ai, se chega uma pessoa mais calma, pede para a gente respirar, contar até dez, fazer uma prece, praticar um exercício de respiração e etc, de um momento para outro, deixamos aquele estado alarmante, sem equilíbrio e passamos para um momento de paz. Esse desespero é resultado de uma falta de confiança em nós mesmos. O ato de querer culpar os outros, a situação e tudo mais, nada mais é que meras desculpas para a incapacidade de se reerguer.

Outra dica interessante é, além de unir toda a sua força e ver o que tem de melhor, programe-se com calma para o próximo passo que será dado. Não saia de porta em porta entregando seu currículo, sem foco, sem objetivo, ou isso pode custar muito caro. Não denigra a imagem da empresa em que trabalhava, tente entender o que ocasionou a sua saída. Busque sua rede de relacionamentos, sem colocar um megafone nas redes sociais, postar frases de lamúrias, ameaças e se fazer digno(a) de dó. Seja discreto(a), elegante e coerente com seus planos. Lembre-se sempre: a vida é feita de ciclos, seja no amor, no trabalho, na vida social, profissional, saúde, financeira, intelectual, religiosa. E como todo ciclo, tem seu início, meio e fim. Momentos em alta, estável e em baixa, mas que o momento em baixa seja corriqueiro, que o momento estável não se prolongue tanto para não se acomodar e que o momento em alta perdure, desde que não te tornes cego(a) para outras oportunidades. Arregace as mangas e vai a luta. Escolha vender lenços para quem chora!

“A crise preenche as redes sociais — a crise é on-line. Que restará do Brasil quando acabar a crise? Apenas um grande vazio sem assunto? Que faremos sem ela? Talvez tristeza pura porque a crise nos dava uma torta alegria de viver, um motivo para termos esperança. E se acabar também a esperança?”   Arnaldo Jabor

.

Abraços,

Claudia Menezes.

Publicado em Café Com Idéias | Etiquetas , , , , , , , , , , , , , | Publicar um comentário

Café Com Ideias Em NY: Quando o assunto é beleza, uma boa marca faz a diferença! Com Suzana Marques.

IMG-20150727-WA0007

Café Com Ideias: Sabe aquela velha história de que santo de casa não faz milagres? Não é bem assim não, pelo menos é a informação que obteremos no post abaixo, da Suzana Marques que se encontra em NY e nos conta um pouquinho da realidade de lá. Muitas vezes, buscamos aquilo que não temos e valorizamos aquilo que não está ao nosso alcance, melhor dizendo: ” a grama do vizinho nem sempre é mais verdinha que a nossa.” Vamos conferir o que a Suzana Marques nos conta sobre os cuidados com a beleza em NY:

Por Suzana Marques,

“Oi Gente,

Esta semana vou falar sobre o segmento da área de beleza no Brasil, que é um sucesso. Vocês devem estar se perguntando, porque, estando em Nova York diante de tantas atrações, estou falando de um segmento no Brasil, não é mesmo? É simples, em todos os salões que entrei aqui, a pergunta é sempre a mesma, “Quem cortou o seu cabelo?”, e comentam, “Que cabelo bem tratado!”, “Que corte bonito!”, e é incrível o que vou dizer, mas podem acreditar, esse segmento aqui é carente de bons profissionais.

Sei que quando se fala de Nova York, a imagem que se tem é a de que tudo é lindo, glamouroso, perfeito, que tem as melhores marcas, os melhores produtos, gente chique, coisa e tal. Desculpa gente! Mas, o que mais  eu quero é justamente quebrar o mito de que tudo que é “americanizado”, é melhor e perfeito; estou fazendo isso porque vivendo a realidade daqui, descobri que isso não é verdade, principalmente em se tratando de prestação de serviço. Como Assessora de Imprensa da Professional Fair, feira de beleza de BH, durante três anos consecutivos, tive o privilégio de conhecer e conviver vários profissionais da área  de beleza, e por isso, posso dizer com convicção que temos grandes profissionais como por exemplo Rosangela Rocha (Maison Rocha), Luiz Martins (LM), Bia, Marcus Martinelli, Charbel, Gil Marciano, Marco Antônio de Biaggi, Rodrigo Cintra dentre tantos outros.

É claro que não estou generalizando, e também não quero ser mal interpretada, mas como atuei também como consultora de marketing  com grandes marcas nesta área em BH e, tive a oportunidade de conhecer profissionais e marcas consagradas mundialmente, quando cheguei aqui comecei a trilhar um caminho em busca de informações, conhecimentos e de bons serviços, uma pesquisa de mercado na verdade, incluindo inclusive cursos na área de beleza e,  sinceramente, dificilmente se encontra salões usando marcas consagradas, exceto Moroccanoil, que está sempre presente em todos os salões classes A , B, e C.

Marcas como Wella, Loreal , Schwarzkopf entre outras, encontrei  em pouquíssimos salões classe A.  A maioria dos salões aqui usam com frequência, produtos que se compra em supermercados e produtos de qualidade bem inferior, o que explica porque grande parte da população feminina tem  os cabelos  tão danificados.  A marca Moroccanoil é vendida aqui em várias lojas e é bem barata por sinal. Já as marcas consagradas, não se encontram com tanta facilidade, um exemplo é a Kerastase, que é muito difícil de ser encontrada por aqui.

No meu dia-a-dia por aqui, o que mais me tem chamado atenção é o quanto as pessoas tem cabelos danificados e sei que um fator que deve ser levado em conta é a água, que tem muita química em função do tratamento de purificação. Sendo bastante observadora por onde quer que tenho andado, inclusive na minha rotina diária no curso de inglês, se encontrei 10 cabelos bem tratados, foi muito. Cada professora que entrava na sala, além das minhas colegas de classe, eu olhava e ficava pensando se estas pessoas não tinham a percepção de que precisavam de um bom tratamento capilar, porque jamais vi cabelos tão manchados, quebrados e sem vida, partindo daí, a vontade de aprofundar e pesquisar mais sobre marcas, produtos e profissionais.

Bom, o que relato aqui é apenas parte de uma pesquisa que estou realizando, e que pretendo compartilhar com vocês nos próximos posts, como por exemplo, as marcar boas que se destacam por aqui. Quanto a quebrar o mito, é porque precisamos valorizar mais o que temos ai em Bh, principalmente em se tratando de profissionais da área da beleza.

Até o nosso próximo post!

Abraços,

Suzana Marques.”

Publicado em Café Com Idéias | Etiquetas , , , , , , , | Publicar um comentário

VOCÊ SABIA? Saiba qual foi a inspiração para o filme Moby Dick O Retorno.

vcsabia_logo

Café Com Ideias: Sabe o que mais me deixa feliz? Saber que existem milhões e milhões de coisas que ainda não conheço, e que existirão ainda mais, afinal de contas, o conhecimento é ilimitado. Certa vez ouvi uma frase interessante que dizia: “O saber não ocupa espaço”, e veja, isso é excitante, saber que sempre teremos algo à aprender.

Vamos então as curiosidades que a vida nos reserva:

Segundo pesquisas, as baleias são animais sociáveis que se comunicam o tempo todo. Agora, existe uma baleia que há pelo menos 25 anos, vive só no Oceano Pacífico, cujo nome é baleia 52, considerada a mais solitária do mundo.

A baleia solitária, foi descoberta em 1.989 por pesquisadores americanos que captaram seu som em radar, na frequência de 52 hertz(por isso o nome), som este, muito mais agudo que das outras baleias, que se situam entre 15 e 20 hertz.

À partir desta descoberta, muitos cientistas já ouviram a baleia 52, mas nunca ninguém a viu. Acreditam tratar de um macho pelo som que ela emite, de baleia-azul, baleia-fin, ou um híbrido das duas com alguma anormalidade vocal.

Os documentaristas Josh Zeman e Adrian Grenier (O Diabo Veste Prada) , para encontrarem a eremita, resolveram fazer um filme: Moby Dick (No Coração do Mar)e criaram um financiamento coletivo para bancá-lo. Arrecadaram US$400 mil.

Quer saber mais? Fique ligado no VOCÊ SABIA? Do Café Com Ideias.

Se você gostou deste post,escreva para o blog, dando sua sugestão.

Abraços,

Claudia Menezes.

Fonte Pesquisa: Revista Super Interessante-Edição 345.

Publicado em Café Com Idéias | Etiquetas , , , , , , | Publicar um comentário